Pub

Açores 24Horas – Jornal Diário

17 de Abril de 2017


ensaio do ballet Programa Reportório.No âmbito das comemorações do seu 40º aniversário, a Companhia Nacional de Bailado apresenta no Teatro Micaelense, nos próximos dias 21 e 22 de abril, um programa de reportório, onde se reúnem alguns dos coreógrafos que mais marcaram a História da Dança. A belíssima e feminina Serenade, de Balanchine, que contrasta com a energia masculina de Grosse Fuge, de Anne Teresa De Keersmaeker, a abstração de William Forsythe, com um dueto virtuosístico, e a inspiração latina de 5 Tangos, de Hans van Manen, são uma janela aberta para o que de melhor se produziu no séc. XX.

As apresentações no Teatro Micaelense integram uma grande digressão nacional, que passará por mais de 30 salas de espetáculos em todo o país. A passagem da CNB por Ponta Delgada inclui também uma master classe, para alunos de escolas de dança locais, e um workshop, no âmbito dos Projetos de Aproximação à Dança, uma iniciativa dos serviços educativos da CNB, onde através de pequenos projetos idealizados por um convidado, estudantes entre os 9 e os 14 anos podem conviver com criadores e intérpretes, familiarizar-se com diferentes linguagens artísticas e experimentar a dança nas suas diversas dimensões.

A Companhia Nacional de Bailado apresentou o seu primeiro espetáculo no Teatro Rivoli, no Porto, a 5 de dezembro de 1977, tendo a estreia oficial ocorrido no dia 17 do mesmo mês no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa. Desde então, a CNB tem construído um caminho sólido, tanto na criação de obras artísticas, como na preservação de repertório.

Os bilhetes para o espetáculo no Teatro Micaelense têm um preço de 15 euros, para a plateia, e 10 euros, para o balcão, e podem ser adquiridos na bilheteira do Teatro Micaelense e em Bilheteira Online.

 

 

 

Açores 24Horas /Foto Bruno Simão

Download PDF



6 de Abril de 2017


beatittudePonta Delgada ganha novo ritmo musical em abril. O projeto chama-se BeAtitude Music Sessions #1 e apresenta-se com um conceito inovador que alia boa-disposição a inovação ao som de grandes revelações.

Segundo a organização, é um evento para todas as gerações e é um novo conceito de espetáculo e animação musical promovido pela “J&M Eventos” com o objetivo de fomentar novos olhares e grandes agitações friendly em torno da realização de iniciativas em espaços emblemáticos da ilha de São Miguel, nos Açores.

A estreia deste novo conceito tem lugar no quase centenário Coliseu Micaelense, a 15 de abril, sábado, às 23H00, e apresenta-se “como um projeto para quem quer ser atitude”  onde, acrescenta a organização, “tem no estado de espírito, ativo e interativo, do público a sua essência”.

A título ilustrativo, as palavras-chave para o sucesso de cada edição passam pela boa-disposição, agitação e interação num plano de convivência positiva e diferenciadora.

Lançado o conceito, a organização justifica a sua realização nas férias da Páscoa como sendo um período, em Ponta Delgada, com necessidade de ser reforçado, em termos de animação musical e oferta cultural, para todas as gerações, em especial às que, nesta quadra, se encontram em período de férias.

O cartaz da primeira edição do BeAtitude Music Sessions #1 é oficial e é composto por artistas de projeção nacional como Virgul, Mishlawi, Holly e Crise.

Os bilhetes estão à venda a partir desta sexta-feira, dia 31, têm um custo de 10 euros e poderão ser adquiridos no Coliseu Micaelense, Bar do Clube União Micaelense, Posto de Abastecimento Galp das Laranjeiras, Bar do Tojó, Mitólândia e Bar Marina da Vila.

Download PDF



13 de Março de 2017


bernardo trioNo próximo sábado, 18 de março, às 21h30, o pianista e compositor João Nuno Bernardo apresenta-se em concerto no Teatro Micaelense, num clássico formato de trio, com Francisco Brito, no contrabaixo, e Pedro Felgar, na bateria. Inspiradas principalmente pela música erudita e pelo jazz tradicional, as composições de João Bernardo caracterizam-se pela sua sonoridade “Third Stream”, em que prevalecem momentos de introspeção e se dá primazia a um misto de contenção e euforia. É, sobretudo, um trabalho de total entrega emocional.

João Nuno Bernardo, pianista e compositor natural de São Miguel, começou a estudar música no Conservatório Regional de Ponta Delgada. Realizou diversos workshops de jazz, como o Lisbon Jazz Summer School (CCB) ou o Workshop de Voz e Orquestra (Teatro Micaelense), nos quais teve a oportunidade de aprender com reconhecidos músicos do panorama do jazz nacional e internacional, tais como Pedro Moreira, Paula Oliveira, Filipe Melo, Mulgrew Miller, Greg Osby, Danilo Perez, Leo Tardin, Steve Nelson e Ben Street. Estudou na escola do Hot Clube de Portugal e licenciou-se em Música (vertente Jazz) na Escola Superior de Música de Lisboa, onde é, atualmente, mestrando em Performance. 

Os bilhetes têm um preço de 7,50€ e estão à venda na bilheteira do Teatro Micaelense e em Bilheteira Online. Os descontos, incluindo os de Cartão de Espectador Frequente (20%) e de Cartão Interjovem (50%), são aplicáveis apenas aos bilhetes adquiridos na bilheteira do Teatro Micaelense.

 

Download PDF



6 de Fevereiro de 2017


adalbertoNo próximo sábado, 11 de fevereiro, sobe ao palco do Teatro Micaelense “Adalberto Silva Silva – Um Espectáculo de Realidade”, uma peça com texto de Jacinto Lucas Pires e interpretação de Ivo Alexandre.

“Adalberto Silva Silva – um espetáculo de realidade” é a alma de Adalberto Silva Silva em formato televisivo. Adalberto é o célebre desconhecido, o triste homem comum, um tipo que de tão normalzinho se apalhaça dos modos mais surpreendentes. Um cidadão que, neste país pobre e maravilhoso, quer juntar-se a uma cidadã para se descobrir por inteiro. Em resumo, a personagem do mais adalbértico dos anti-heróis portugueses sai agora do papel do teatro para o oxigénio da realidade. “Adalberto Silva Silva” é uma comédia em formato de bolso sobre o desejo, o sonho e os chamados problemas práticos.

Jacinto Lucas Pires publicou o seu primeiro livro em 1996 e trabalha como dramaturgo e cineasta. A sua obra encontra-se publicada em português pelos Livros Cotovia e também em espanhol, croata e tailandês. Várias peças suas estão traduzidas em francês, espanhol, inglês e norueguês. Em Portugal, os seus textos foram encenados por Manuel Wiborg, Ricardo Pais, Marcos Barbosa e João Brites. Escreveu e realizou duas curtas-metragens: Cinemaamor (1999) e B.D. (2004).

Ivo Alexandre fez o curso de Interpretação do Balleteatro Escola Profissional. Como ator, trabalhou com os encenadores Jorge Silva Melo, Ricardo Pais, Giorgio Barberio Corsetti, Luís Miguel Cintra, Nuno Carinhas, entre muitos outros. Colaborou com diversas entidades e companhias como o TNSJ, TNDMII, Cornucópia, O Bando, ou Artistas Unidos. Na encenação, destacam-se os trabalhos Mouchette/Colette, de Arne Sierens, e Email, de Jacinto Lucas Pires. No cinema, trabalhou com Hugo Vieira da Silva, António-Pedro Vasconcelos, Manuel Pradal, Tiago Guedes e Frederico Serra, Paulo Castro, entre outros. Participou em várias séries televisivas, tais como Equador, Liberdade 21, Lua Vermelha, Os Nossos Dias ou Coração D’Ouro. 

Os bilhetes têm um preço de 10 euros  e estão à venda na bilheteira do Teatro Micaelense e em Bilheteira Online. Os descontos, incluindo os de Cartão de Espectador Frequente (20%) e de Cartão Interjovem (50%), são aplicáveis apenas aos bilhetes adquiridos na bilheteira do Teatro Micaelense.

Download PDF



24 de Janeiro de 2017


david santos NOISERVNoiserv regressa ao Teatro Micaelense no próximo sábado, dia 28,  às 21h30, para apresentar o novo disco.

Comparado com os trabalhos anteriores, “00:00:00:00”, sobretudo feito de melodias ao piano, é um álbum minimal, que o músico descreveu como a banda sonora para um filme que ainda não existe, mas que talvez um dia venha a existir. 

Com quase 12 anos de existência, o projeto de David Santos,  Noiserv,  homem-orquestra, ou banda de um homem só, tem vindo a afirmar-se como um dos mais estimulantes da nova geração de músicos portugueses.

No currículo conta com o bem-sucedido disco de estreia “One Hundred Miles from Thoughtlessness” (2008), o EP “A Day in the Day of the Days” (2010) e “Almost Visible Orchestra” (2013), disco distinguido como melhor do ano pela Sociedade Portuguesa de Autores e, recentemente, reeditado pela naïve, casa mãe de projetos como Yann Tiersen, M83, entre muitos outros.

David Santos é um dos 16  músicos portugueses escolhidos para participar na edição de 2017 do Festival da Canção, compondo uma canção original e inédita. 

Os bilhetes para o concerto no Teatro Micaelense têm um preço de 12,50€, para a plateia, e de 10€, para o balcão, e estão à venda na bilheteira do Teatro Micaelense e em Bilheteira Online. Os descontos, incluindo os de Cartão de Espectador Frequente (20%) e de Cartão Interjovem (50%), são aplicáveis apenas aos bilhetes adquiridos na bilheteira do Teatro Micaelense.

Download PDF



10 de Janeiro de 2017


tremorJá com Mão Morta, Flamingods e Norberto Lobo confirmados para a quarta edição do TREMOR, juntam-se agora à semana que vai abalar a cultura atlântica BEAK>, Yves Tumor, Circuit des Yeux, Conjunto Corona, We Sea e Filipe Furtado.

Com inicio marcado no próximo dia 04 de abril, a quarta edição do festival TREMOR, que se realiza em São Miguel,  entra em contagem decrescente para uma vez mais aquecer a primavera e agitar terra e oceano no arquipélago dos Açores. 

Sobre os nomes agora apresentados BEAK> de Geoff Barrow, é reconhecido pelo seu trabalho com os Portishead e encontrou no universo kraut deste trio o mais criativo esforço dentro do género dos últimos anos. Na calha trazem a banda sonora para “Couple in a Hole”, com que se têm apresentado ao vivo. Com eles vem ainda, Haley Fohr e o seu fantasmagórico projecto Circuit des Yeux e o estranho e cativante Yves Tumor, cujo condão pop arrepia com a mesma solenidade exagerada dos anos 80. 

Nos reforços nacionais, TREMOR apresenta ainda o Conjunto Corona, autor do quase-polémico e unanimemente bem recebido “Cimo de Vila Velvet Cantina” e de mais uma série de registos já a subir cadeias de elogios dentro do rap português. Dos Açores a registar We Sea, projecto pop camaleão que se transforma de canção para canção, e o cantor/autor Filipe Furtado, com um sotaque no dedilhado de guitarra a lembrar terras de Vera Cruz.

“Isto é o mundo numa só ilha. Todos juntos em comunhão. O Tremor é isto. E é, de facto, maior do que a ilha”, escreveu o Expresso sobre este Festival onde “quando as pessoas se juntam de forma diferente entre pessoas muito diferentes é uma pequena revolução. O Tremor é uma renovação em curso em Ponta Delgada”, afirmou O Público.

Download PDF



28 de Dezembro de 2016


concertoA Orquestra Quadrivium está reunida em estágio, preparando-se para o regresso aos palcos, apresentando o seu Concerto de Fim de Ano.

Sob a direcção musical de Amadeu Resendes, a orquestra apresenta o Concerto para Violino e Oboé em Dó menor de Bach, com os solistas Ana Oliveira e Lívio Dias, e a Sinfonia nº27 em Sol maior de Mozart.

Os concertos terão lugar na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Ponta Delgada, e no Convento de São Francisco, em Vila Franca do Campo, ambos pelas 21h00, nos dias 29 e 30 de dezembro, com entrada livre.

Este estágio tem a particularidade de ser coordenado por membros da Associação cuja formação passou também pela Orquestra Quadrivium.

Download PDF



18 de Dezembro de 2016


seu-jorge

Seu Jorge é a primeira confirmação para o Monte Verde Festival, que tem lugar de 10 a 13 de agosto de 2017 na Ribeira Grande, Açores 
O concerto do conceituado artista brasileiro será certamente um momento de “Felicidade” para o público do Monte Verde, para os Açores e para o próprio artista.
“A Seu Jorge irão juntar-se outros artistas de renome nacional e internacional, a anunciar nos próximos dias e a fazer jus à qualidade a que o público já se habituou”, anucniou a organização.

Já bem conhecido do público português, o carioca Jorge Mário da Silva, nascido em 1970, é uma inspiração não só pelo seu trabalho artístico, mas também pela forma como tem conduzido a sua vida pessoal, passando das ruas e da qualidade de sem abrigo para os grandes palcos e para o topo dos artistas brasileiros mais conceituados.
Oficialmente a sua carreira profissional no mundo da música arrancou ao serviço dos Farofa Carioca. Com eles, em 98, estreou-se com a edição “Moro no Brasil”.
Em 2001 sai “Samba Esporte Fino”, disco de estreia em nome próprio. Desde então, o percurso de Seu Jorge tem sido imparável.

Entre edições e centenas de concertos pelo mundo, colaborou e tocou com nomes como Ed Motta, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Lenine, e tocou ao lado dos Black Eye Peas e Foo Fighters no conhecidíssimo programa de televisão de Jools Holand. Compositor e intérprete de reconhecidos méritos, pendura-se no samba para criar melodias que se formam com o melhor que a melodia musical brasileira tem para oferecer.

Paralelamente à música, a dimensão artística de Seu Jorge tem crescido consideravelmente pelo grande ecrã e televisão. Para além de 4 séries de tv, destaque para a participação em mais de 16 longas metragens, em especial para “The Life Aquatic with Steve Zissou”, onde contracena com o grande Bill Murray. Em 2012 venceu um Grammy Latino para o melhor álbum pop contemporâneo: “Seu Jorge – Músicas Para Churrascos Vol. 1”. Destaque em muitas publicações de renome, foi até protagonista de uma relevante reportagem realizada pela CNN.

Em agosto de 2017 Seu Jorge acrescenta a Ribeira Grande ao seu percurso musical.

Download PDF



7 de Dezembro de 2016


A Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luís da Silva Ribeiro, promove sábado, 10 de dezembro, pelas 17h30, nas suas novas instalações, a realização de um Concerto de Natal” com canções tradicionais, que terá como intérpretes o Coro de Funcionários da Biblioteca, jovens leitores e o Coro de Alunos do Jardim de Infância de S. Gonçalo.

Neste espetáculo, que conta com a participação de Fábio Silveira (barítono) e de Francisco Rocha (piano), serão interpretadas canções tradicionais da época natalícia, portuguesas e estrangeiras, de diversos compositores, estilos, géneros e formas musicais, entre as quais se destacam “Natal Açoriano”, “White Christmas”, “Jingle Bells” e “Natal Algarvio”.

O Concerto de Natal, com direção musical de Nelson Pereira e direção artística de Duarte Gonçalves da Rosa, tem entrada livre e é aberto a públicos de todas as idades, tendo como objetivo promover a congregação dos participantes para dar corpo à celebração natalícia, profusa em termos musicais, instrumentais e de intérpretes.

Download PDF



1 de Dezembro de 2016


Concerto de Natal pela Sociedade Filarmónica Recreio Serretense e a Orquestra Angrajazz
Data : Sábado, 3 de dezembro às 21h00
Local: Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo
Evento de entrada livre.
Download PDF



29 de Novembro de 2016


O Programa de Natal vai continuar durante todo o mês de dezembro espalhando o espírito natalício por toda a cidade.

A 1 de dezembro haverá animação itinerante ,no Centro Histórico da Cidade, com a Associação de Juventude da Candelária, às 16h00 e às 17h30.

Pelas 18h30, nesta mesma quinta-feira, haverá animação musical, no Centro de Ponta Delgada, com a TAUA – Tuna Académica da Universidade dos Açores.

Já na sexta-feira, 2 de dezembro, a Igreja do Colégio irá receber o concerto de Magma Gospel, pelas 21h30, para uma noite memorável.

Quanto ao habitual “O cantinho do Pai Natal”, este volta a estar patente no lado sul da Matriz, no sábado, 3 de dezembro, das 10h00 às 12h00 e das 15h00 às 17h00, com pinturas faciais alusivas à época e um spot fotográfico natalício.

Depois, pelas 11h00 de sábado, haverá animação musical itinerante com a Tuna com Elas e com a Banda Municipal de Ponta Delgada, pelas ruas do Centro Histórico.

Às 17h00, do dia 3 de dezembro, os Tunídeos vão ser os responsáveis por espalhar a animação pela cidade, com o seu espírito jovem e irreverente.

Download PDF



3 de Novembro de 2016


sharing-cartaz-2016A XII edição da emblemática produção musical “Sharing the Music”, promovida pela Associação Vox Cordis, sobe ao palco do Coliseu Micaelense, a 12 de novembro, sábado, às 21H30.

Com a temática “O Mundo nas nossas Mãos”, a edição deste ano contempla uma viagem inesquecível, de cerca de 70 minutos, aos mais memoráveis temas musicais que fazem parte de todas as gerações.

Um espetáculo que se traduz, através das melodias, numa mensagem de esperança em prol de um mundo que merece melhor tratamento e entendimento, atendendo às enormes ruturas verificadas, “quer por comodismo, por irreverência, por consumismo absurdo, por guerras alimentadas pelo ódio, quer pela luta inglória da supremacia do idealismo político e financeiro”, de acordo com a organização.

A XII edição do “Sharing the Music” compõe-se de quatro grandes momentos musicais, distintos, mas interligados, nomeadamente: a criação, a contemplação, a destruição e a esperança.

Em palco, o Coro Vox Cordis, o Coro Infantil “Semicocheias”, os solistas Marta Pereira, Pedro Paquete e Rui Martins, as participações de Svetlana Pascoal, Sofia Gaspar, David Nascimento e Dança Livre. A compilação de imagens é de Isabel Cordeiro, a concepção e texto é de André Melo, e a Direção Musical está a cargo de Odilardo Rodrigues.

Os bilhetes já estão à venda nos locais habituais e os preços variam entre os 7, 10, 12 e 36 euros, para plateia, balcões e camarotes, respetivamente.

Download PDF



25 de Outubro de 2016


alineCantora, compositora e letrista, considerada um dos nomes mais sonantes da nova música angolana, Aline Frazão estreia-se no palco do Teatro Micaelense no próximo sábado, 29 de outubro. Este concerto encerra uma digressão nacional, que inclui concertos em Lisboa, Porto e Coimbra. O seu último álbum, “Insular”, é o ponto de partida para estes concertos que abarcam ainda alguns temas inéditos do seu repertório, não esquecendo os trabalhos anteriores, “Movimento” (2013) e “Clave Bantu” (2011).

Uma das marcas distintivas de Aline Frazão é a importância da palavra – das parcerias inéditas com os escritores angolanos José Eduardo Agualusa, Ondjaki e a poetisa Ana Paula Tavares, à inspiração no “Conto da Ilha Desconhecida” de José Saramago, passando pela colaboração com Capicua – e a profunda reflexão social e política. Este atributo da artista é cada vez mais reconhecido e tem motivado convites para a sua participação em eventos que extravasam os limites da música, como o demonstram as recentes atuações na Fundação José Saramago e no Grande Prémio da Literatura dst.

Os bilhetes têm um preço de €10 e podem ser adquiridos na bilheteira do Teatro Micaelense e em Bilheteira Online.

Download PDF



17 de Outubro de 2016


cartazNo próximo sábado, 22 de outubro, o Teatro Micaelense acolhe “Um Inimigo do Povo”, uma peça de Henrik Ibsen, encenada por Tónan Quito e interpretada por Filipa Matta, Isabel Abreu, João Pedro Vaz, Jorge Andrade, Pedro Gil e Tónan Quito.

Em “Um Inimigo do Povo” (1882), o autor Henrik Ibsen expõe de uma forma direta e crua a colisão do indivíduo com o coletivo; a rutura de um homem que descobre uma verdade e, confrontando-a com a cidade apercebe-se de que esta, manipulada pela imprensa e pelo poder, prefere viver na mentira.

Discussões familiares, corrupção, manipulação política, assembleias populares e apedrejamentos, tudo isto acontece quando o Dr. Stockmann, no início da peça, descobre que as águas da estância balnear (fonte de receitas da cidade) estão infetadas. No fim descobre também que a própria cidade está podre, e mesmo sendo expulso insiste em ficar para “educar” a sociedade; acreditando que, um dia, os cidadãos podem vir a ser melhores, como indivíduos e como coletivo. Será que isso é possível? Será que cada cidadão é livre na democracia em que participa? Quem tem o poder?

João Pedro Vaz, o ator que dá vida a Dr. Stockmann, recebeu uma Menção Especial nos prémios da Associação de Críticos de Teatro.

 Os bilhetes para o espetáculo têm um preço de €10 e podem ser adquiridos na bilheteira do Teatro Micaelense e em Bilheteira Online.

Download PDF



15 de Outubro de 2016


cartazA Igreja do Colégio, em Ponta Delgada, acolhe dia 22 de outubro, o II Encontro de Escolas de Viola da Terra, encerrando a Temporada de Violas da Terra 2016, promovida pela Associação de Juventude Viola da Terra que tem, desde Março realizado inúmeras iniciativas dedicadas à Viola de Dois Corações.

Na apresentação do próximo sábado o público terá a oportunidade de assistir a vários momentos musicais por executantes dos 8 aos 65 anos de idade, desde a classe de iniciação de Viola da Terra do Conservatório, Escolas de Violas da Relva e Classe de Conjunto de Guitarra e Viola do Conservatório, que proporcionarão momentos musicais muito diversificados, num concerto que envolve cerca de 3 dezenas de músicos.

O Encontro de Escolas de Viola da Terra pretende ser um meio de dar a conhecer o trabalho que as escolas desenvolvem ao longo do ano, mas, ao mesmo tempo, proporcionar momentos de convívio e de partilha entre os músicos provenientes de realidades musicais diferentes.

viola terraInserido neste evento decorrerá ainda o lançamento do terceiro volume do “Método para Viola da Terra”, do autor Rafael Carvalho, que ao invés de ser apresentado por palavras será dado a conhecer pelos sons da viola, um momento peculiar que reúne músicos e alunos que estudam níveis de dificuldade diferentes, sendo perfeitamente verificável, na prática, a ideia e metodologia do autor na lecionação no Conservatório de Ponta Delgada, desde a “Iniciação”, “Básico” e “Avançado”.

O início do II Encontro de Escolas de Viola da Terra está marcado para as 20:00, na Igreja do Colégio, sendo a entrada livre.

Download PDF



13 de Outubro de 2016


cartaz“Ilhas de Bruma – Uma viagem musical pelas ilhas dos Açores” é o nome do concerto protagonizado pelo Orfeão Edmundo Machado de Oliveira, grupo Belaurora e Quarteto Com.Mozart agendado para esta sexta-feira, às 21h30, no Coliseu Micaelense.

Sob a direção de Cristiana Spadaro e Carlos Sousa, o Orfeão Edmundo Machado de Oliveira apresenta-se às 21h30 de sexta-feira, 14 de outubro, no palco da maior sala de espetáculos dos Açores, acompanhado pelo grupo Belaurora e pelo Quarteto Com. Mozart.

Em palco também vão estar os músicos Natália Ferraz e João Tavares. Um evento que resulta de uma coprodução entre o Coliseu e o Orfeão, presidido por Aida Medeiros, e que visa dar a conhecer a música tradicional açoriana, numa viagem pelas nove ilhas do arquipélago.

“Saudade”, “Balão”, “Majaricão”, “Abana”, “Bravo”, “São Gonçalo”, “Rema”, “Pezinho de Baixo” e “Chamarrita Nova” são apenas alguns dos temas que irão convidar os espetadores por esta viagem pelas ilhas de bruma.

Em cada um dos 15 temas pretende-se criar um diálogo emocional entre intérpretes e ouvintes e através do som transmitir os afetos da alma de um povo, seguindo o lema de que “música é cultura, música é vida”.

Os bilhetes para o evento estão à venda na bilheteira do Coliseu, que está aberta entre as 13h00 e as 19h00, e em bol.pt.

Formado em 1986, o Orfeão Edmundo Machado de Oliveira tem apresentado um repertório bastante vasto, versando a música clássica e a música popular portuguesa e açoriana.

Conta com inúmeras atuações na região, no continente português e no estrangeiro e soma três discos editados. O grupo Belaurora chega das Capelas, concelho de Ponta Delgada, e um currículo notável na divulgação da música tradicional açoriana pelo mundo.

Download PDF



4 de Outubro de 2016


fotoNos próximos dias 14 e 15 de outubro, o Teatro Micaelense acolhe “Barriga da Baleia”, um espetáculo infantil criado por António Jorge Gonçalves.

“Barriga da Baleia” é uma epopeia marítima narrada pela atriz Ana Brandão e um retroprojetor com canções, desenhos luminosos e objetos manipulados. O espetáculo, estreado em 2013, no Teatro Maria Matos, já deu origem a um livro, que integra o Plano Nacional de Leitura (livro recomendado para Educação Pré-Escolar), e foi selecionado para o prestigiante catálogo internacional White Raven.“Barriga da Baleia” conta a história de Sari, uma menina de 4 anos com pais muito dorminhocos, que vai até à praia sozinha e embarca com Azur numa viagem até à terra-onde-nunca-ninguém-se-aborrece. Quando uma tempestade se levanta, uma onda grande leva-a para a boca aberta de uma baleia. Como vai Sari sair de lá de dentro? Que sortilégio inventará Azur para a salvar?

António Jorge Gonçalves é um desenhador polifacetado: a sua faceta autoral estende-se pela banda desenhada, o cartoon editorial, o teatro e as suas performances de desenho digital ao vivo. Na banda desenhada destacam-se a premiada série FILIPE SEEMS (com Nuno Artur Silva) – cujo álbum “ANA” é apontado como um ponto de viragem na bd nacional – e as inovadoras novelas gráficas “A ARTE SUPREMA” e “REI” (com Rui Zink). Teve histórias expostas e publicadas em Portugal, Austrália, Coreia do Sul, Espanha, França e Itália. O seu trabalho mais visível é, neste momento, o cartoon político de tom contundente que desenha todas as semanas para O INIMIGO PÚBLICO (jornal PÚBLICO), pelo qual já foi premiado no WORLD PRESS CARTOON.  Criou cenografia para várias peças de teatro, entre as quais O QUE DIZ MOLERO e ARTE (encenações de António Feio), O DONO DO NADA (de Amélia Muge), ou COMO FAZER COISAS COM PALAVRAS (com Ricardo Araújo Pereira). Nos últimos anos, encontrou no Desenho Digital uma maneira de dar aos seus traços um carácter performativo. Integrou vários espetáculos em Portugal, França, Alemanha, Japão e EUA com músicos, atores e bailarinos, entre os quais, Armando Teixeira, Kalaf, Amélia Bentes, Amélia Muge, Micro Audio Waves, Gino Robair, Gustavo Matamoros, Ellen Fullman, Mário Laginha e Bernardo Sassetti.

O espetáculo será apresentado em duas sessões: no dia 14, às 10h30 (para escolas), e no dia 15, às 17h00 (para famílias).  Os bilhetes têm um preço de €2,  para a sessão escolas, e, para a sessão famílias, de €5 (adulto) e €2,50 (criança).

Download PDF



3 de Outubro de 2016


cartazO Museu de Angra do Heroísmo e a Ermida da Boa NovaDireção Regional da Cultura, recebem entre 12 e 15 de outubro, a realização do projeto Sound@Açores|Novos Espaços – Tempo, da autoria de Verónica Metello, promovido pela Direção Regional da Cultura.

 Este projeto internacional propõe-se reunir num mesmo evento artistas que desenvolvem projetos inovadores que permitem explorar a relação entre memória e património, espacialidade, sonoridade, performance e novos media, entre realidade analógica e virtual, proporcionando experiências imersivas inéditas.

Nesse sentido, o lugar físico onde os trabalhos destes artistas decorrem é crucial para a sua especificidade e singularidade, dado que são construídos em sinergia e participação, sendo, por isso, selecionados espaços de referência patrimonial, cuja singularidade arquitetónica, artística, histórica e acústica se possa integrar na criação da obra/performance.

A realização deste projeto concorre para uma nova fruição do espaço e uma nova consciência do património que é ativado e fruído em sinergia com as novas tecnologias, criando espacialidades e temporalidades próprias da contemporaneidade.

No programa desta iniciativa destaca-se, a 12 de outubro, na Ermida da Boa Nova, entre as 17h00 e as 18h30, a realização de uma mesa-redonda sobre o tema “Teoria da performance e espaços-tempo”, com a presença de Verónica Metello, Assunção Correia Melo e vários artistas, seguindo-se, no mesmo local, até às 20h00, o evento “Floating Devices”, instalação e conversa com o artista Rodrigo Carvalho.

“Floating Devices” terá continuidade no dia seguinte, no mesmo local, entre as 10h00 e as 13h00.

Durante o dia 13 de outubro, e em diversos locais da cidade de Angra do Heroísmo, decorrerá o projeto “The Ultimate Floating Selfie Machine”, com Filipe Pais e, pelas 19h00, no Auditório do Museu de Angra, terá lugar a performance “NaN:Collider”, seguida de uma conversa com os artistas João Martinho Moura e António Rafael.

O projeto“The Ultimate Floating Selfie Machine” também decorrerá a 14 de outubro, data em que se realiza, pelas 19h00, no Auditório do Museu de Angra, a performance “Included Middle”, bem como uma conversa com a artista Adriana Sá.

No sábado, 15 de outubro, também no Auditório do Museu de Angra do Heroísmo, decorrerá, entre as 10h00 e as 14h00, a oficina intitulada “Ponto, Linha, Plano – Gráficos Interativos com Quartz Composer”, com Rodrigo Carvalho, seguindo-se, pelas 18h00, no mesmo local, uma conversa com o artista Filipe Pais.

A participação na oficina “Ponto, Linha, Plano – Gráficos Interativos com Quartz Composer” exige inscrição, que pode ser feita até 10 de outubro através dos endereços de correio eletrónico agenda.cultural@azores.gov.pt edrac.cc@azores.gov.pt.

Download PDF



7 de Agosto de 2016


monte verdeO Monte Verde Festival irá aplicar já na presente edição de 2016 o sistema Cashless, uma tendência dos grandes festivais da Europa e do mundo, onde o pagamento nos bares, restauração e merchandising é realizado com uso de um dispositivo tecnológico na pulseira, que, substitui o “dinheiro vivo” e agiliza o processo de compra.

Em termos práticos, com o novo sistema o festivaleiro tem sempre de trocar o seu bilhete pela pulseira RFID (Radio-Frequency IDentification) e nesse preciso momento carregar a mesma com o montante que estima gastar no evento, funcionando assim a pulseira como uma espécie de carteira eletrónica.

Inovar tem sido palavra de ordem na produção do Monte Verde, que apresenta agora na quinta edição o sistema Cashless, sistema que permite recarregar as pulseiras a qualquer altura nos pontos disponíveis para o efeito no recinto e que permitirá igualmente recuperar o valor não utilizado através do website do Monte Verde Festival. Este será o único meio de pagamento permitido no recinto.

De 11 a 15 de agosto, o Monte Verde Festival, promovido pela J&M Eventos, regressa à Ribeira Grande onde o publico tem encontro marcado com quase três dezenas de artistas regionais, nacionais e internacionais.

O cartaz apresenta nomes incontornáveis do mundo da música, num cruzamento de estilos entre o reggae, o rock, o hip hop e a música eletrónica.

Entre bandas que marcaram gerações, a novas revelações, o cartaz apresenta como cabeças de cartaz Dj Fresh, Gabriel O Pensador, Gentleman, Guano Apes, Sub Focus e Yellow Claw.

Download PDF




FB - BandaRita Guerra é uma das cabeças de cartaz do Festival das Marés, em setembro, nos Mosteiros, Açores, numa atuação que vai juntar a cantora e a filarmónica mais antiga do concelho de Ponta Delgada, a Fundação Brasileira.

“Um dos grandes objetivos do festival é promover a freguesia dos Mosteiros, aproveitar este lugar paradisíaco e esta iniciativa nasce de um projeto cultural junto da Direção Regional da Cultura”, afirmou o presidente da Fundação Brasileira, Lázaro Matos, em declarações à agência Lusa.

Esta entidade organiza a 1.ª edição do Festival das Marés, que vai decorrer de 01 a 03 de setembro, nos Mosteiros, um dos locais turísticos da ilha de São Miguel, procurado devido à sua costa, praia, miradouros e piscinas naturais.

Os ilhéus dos Mosteiros, a poucas milhas da costa, são também outras das atrações dos turistas e residentes devido ao pôr-do-sol.

O presidente da filarmónica, Lázaro Matos, disse que o Festival das Marés resulta de um projeto cultural da banda, frisando que “já fazia falta” a realização de uma iniciativa deste âmbito na costa sul de Ponta Delgada.

No verão, recordou, são vários os concelhos dos Açores que dinamizam também eventos musicais.

Os concertos terão lugar no campo de futebol da freguesia, mas durante os três dias do festival haverá ainda um programa com atividades que vão desde o surf e o bodyboard até uma sessão fotografia ao pôr-do-sol, segundo Lázaro Matos.

O Festival das Marés começa a 01 de setembro com as atuações de Per7ume e Taponas Assassinas, enquanto no dia seguinte Rita Guerra junta-se à Banda Filarmónica Fundação Brasileira.

No dia 03 sobem ao palco Carolina Deslandes e Lado Lunar, integrando o cartaz também artistas regionais e DJ.

Lázaro Matos perspetiva uma boa adesão ao evento, no qual vai ser disponibilizado um parque de campismo gratuito durante os três dias.

Os ingressos compreendem um passe geral de 12 euros e bilhetes diários que variam entre os cinco e sete euros.

A Banda Fundação Brasileira, que completa este ano 153 anos, é a filarmónica mais antiga do concelho de Ponta Delgada e uma das mais antigas da região, sublinhou o seu presidente, indicando que a banda tem tocado junto das comunidades de emigrantes, no continente e no arquipélago, mas tem apostado também em projetos culturais.

O festival conta com apoios das direções regionais da Juventude e Turismo, e da Câmara Municipal de Ponta Delgada, entre outras entidades.

 

Lusa

Download PDF



Diretor / Editor – Sissa Madruga
Sede Redação e edição – Rua do Cemiterio, nº16, Livramento-9500 615 Ponta Delgada
Email - acores24@gmail.com
Telm - +(351) 913290915

Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) - Registo nº 126316
Estatuto EditorialAçores 24Horas © 2013
Propriedade Fabio Celio Ribeiro - NIF 214139336