Falta de efectivos “condiciona acção da PSP” em Angra

0
194

pspOs deputados do PSD eleitos pela Terceira manifestaram hoje uma “preocupação clara com o défice de agentes disponíveis ao efectivo da polícia de segurança pública (PSP) no concelho de Angra”, uma realidade “que vem de há longos anos e que se traduz actualmente na falta de 74 agentes nesta agora divisão, ou seja cerca de 30% do que está estipulado por lei”, explicaram esta tarde.
 
Segundo os social-democratas essa carência é notória “na falta de patrulhamento das cidades e face à multifuncionalidade a que a PSP se vê obrigada nos dias de hoje”, sendo que “Angra do Heroísmo é um caso paradigmático dessa falta, pois transforma-se numa cidade fantasma de noite, sem gente nas ruas, o que também se assemelha à vivência na Praia da Vitória e que pode ser relacionada com a falta de segurança dos cidadãos”, disse António Ventura.
 
O deputado foi quem deu voz às preocupações laranja, e falava esta tarde na cidade-património, após uma reunião mantida com os responsáveis pela PSP local, onde relembrou a proposta “feita pelo PSD a 22 de Fevereiro de 2006, de criação dos conselhos municipais de segurança”, órgãos que nunca entraram em funcionamento, “pese embora tenha sido uma proposta aprovada por todos os quadrantes políticos”, recordou.
 
O social-democrata considerou que “assim, não existem a nível local, as necessárias parcerias de entidades, cujos pareceres poderia ser extremamente úteis no combate à criminalidade e na manutenção da segurança”, assegurando mesmo que “estamos perante uma falha de avaliação social, em muito causada pela ausência destes órgãos e pela contínua manutenção de opções erradas também por parte da tutela”, criticou.
 
Sobre a eventual criação de uma força municipal de polícia em Angra, António Ventura avançou que “essa é uma opção vista com bons olhos pela PSP local, até porque permitiria a libertação de vários agentes do seu efectivo para outras funções onde são precisos”, isto embora o deputado avance que “é uma opção a requerer estudo, mas perfeitamente aceitável, pois está visto que há agentes da PSP a efectuar tarefas, tais como a verificação dos parquímetros ou os cortes de trânsito em tempo de festas, que poderiam ser asseguradas por essa outra força”, explicou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here