Devotos do Espírito Santo nos Açores dão refeições a centenas de pessoas para pagar promessas

0
136

A devoção ao Divino Espírito Santo é forte nos Açores, onde, muitas vezes por promessa, se oferecem refeições e esmolas a centenas de pessoas em nome da terceira pessoa da Santíssima Trindade.

As festas em louvor do Espírito Santo têm características diferentes de ilha para ilha e mesmo entre as várias freguesias, mas mantêm em comum a oração, a coroação na missa e a distribuição de esmolas.

Na ilha Terceira, o domingo de Pentecostes e o da Trindade (sétimo e oitavo a partir da Páscoa), são dias de Bodo, em que mordomos ou imperadores, consoante as freguesias, organizam uma função (almoço tradicional) e distribuem pão, carne e vinho.

Nos seis domingos entre a Páscoa e os Bodos, os símbolos do Espírito Santo (coroas, cetros e bandeiras) circulam pelas casas dos irmãos das diferentes irmandades, ou porque o pediram para cumprir uma promessa ou porque lhes calhou o pelouro (papel retirado à sorte para atribuir o Espírito Santo em cada semana).

O marido de Gorete Sousa já foi duas vezes mordomo na freguesia de Santa Bárbara, na Terceira, mas este ano foi por promessa que acolheram o Espírito Santo em casa.

“O Espírito Santo ajuda-nos muito”, salientou Gorete Sousa, em declarações à Lusa, explicando que foi uma cirurgia a um tumor no cérebro que a fez prometer dar uma função para mais de 200 pessoas.

Por sua vez, o marido prometeu, também no âmbito da devoção pelo Espírito Santo, oferecer esmolas de carne.

“Matámos três vacas, metade de uma foi para o jantar e as outras foi em esmolas a dar aos membros convidados, amigos, primos e conhecidos e a algumas pessoas da freguesia”, explicou.

Durante uma semana, Gorete rezou o terço ao Divino Espírito Santo, na companhia de amigos e familiares, em frente a um altar montado para acolher as coroas que o simbolizam, oferendo-lhes no final bebidas e petiscos.

No domingo, os convidados acompanharam-na num cortejo, que partiu da sua casa até à igreja, ao som da filarmónica, levando as coroas e bandeiras.

No final da missa, ela, a nora e uma sobrinha foram coroadas e seguiram novamente em cortejo até à Casa do Povo, onde foi servida uma função, com a ementa típica desta época.

Gorete Pereira, a cozinheira da função, começou a cozer pão e massa sovada (pão doce) em fornos de lenha, com as tias, em Santa Bárbara, mas há 17 anos que se responsabiliza por todos os pratos.

A ementa começa com as sopas do Espírito Santo, acompanhadas por cozido, segue com Alcatra e termina com arroz doce, que só foi introduzido há alguns anos.

As sopas são feitas de pão duro e um galho de hortelã, sobre os quais é deitado um caldo em que é cozida a carne de vaca e temperos dentro de uma saquinha.

Naquela zona da ilha, a sopa leva também batatas e repolho e é acompanhada por cozido com vários tipos de carnes, linguiça, batatas, cenouras e repolho.

A alcatra, prato típico da ilha Terceira, é feita num alguidar de barro, de preferência em forno de lenha, com carne de vaca e, segundo Gorete Pereira, “um bom vinho”.

A organização de uma função de Espírito Santo requer muito trabalho e despesa, mas há sempre quem ajude, com trabalho voluntário, dinheiro ou géneros, ainda que Gorete Pereira lamente que as gerações mais novas não colaborem tanto.

 

 

Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here