Graciosa tem condições para aumentar a produção de alho

0
69

Na Graciosa há condições para produzir mais alho nesta ilha, tirando melhor partido das infraestruturas existentes e do apoio técnico, para valorizar mais uma produção tradicional, responder às exigências do mercado e dos consumidores, considerou hoje o diretor Regional da Agricultura, no encerramento do 1.º Festival do Alho da Graciosa.

“Trata-se de um produto com caraterísticas qualitativas intrínsecas ligadas às condições locais de solo, de clima, do modo de produção e da sua base genética, que lhe dão propriedades olfativas e gustativas muito agradáveis e intensas”, referiu José Élio Ventura, acrescentando que o alho da Graciosa resulta do “saber de muitos anos, adquirido por via de muita experiência de vida, que não deve ser esquecida, mas que tem de ser ajustada aos novos tempos e às exigências dos mercados”.

“Este deverá ser o momento para conseguirmos uma viragem e um novo ponto de partida para a produção, transformação e promoção deste produto, que possui uma excelente reputação a nível local e nas ilhas mais próximas”, frisou José Élio Ventura, para quem importa aproveitar a associação do alho à ‘Marca Açores’ para dar a este produto uma nova dimensão, quer regional, quer nacional.

Para o Diretor Regional, devem ainda ser consideradas outras estratégias, como a produção de alho em modo biológico ou o facto de ser produzido numa Reserva da Biosfera, o que lhe pode permitir ostentar o símbolo de produto da ‘Biosfera Açores’.

Paralelamente, pode e deve avançar o reconhecimento e a proteção da designação ‘Alho da Graciosa’ como Indicação Geográfica Protegida, considerando a sua homogeneidade, caraterísticas e identidade próprias.

“Esta denominação pode constituir uma proteção, trazer mais valias aos produtores, melhorando o seu rendimento, promovendo novas oportunidades de negócio e contribuindo para o crescimento e modernização da economia da ilha”, disse José Élio Ventura.

No final do ano passado existiam na Graciosa cerca de uma dezena de produtores de alho, numa área aproximada de sete hectares, com uma produção de cerca de 25 toneladas.

Este foi um evento organizado pela Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo, Câmara Municipal de Santa Cruz, Adega Cooperativa e SDEA – Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here