“Dvorak e Tchaikovsky no décimo aniversário da Quadrivium – Associação Artística”

0
135

A Sinfonietta de Ponta Delgada, agrupamento tutelado pela Quadrivium – Associação Artística, apresenta-se em concerto no próximo dia 7 de setembro, às 21:30, no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, com obras de Pyotr Ilyich Tchaikovsky e Antonín Dvorak.
O concerto do décimo aniversário da Quadrivium – Associação Artística contará com a presença de dois grandes músicos, qualquer um deles com uma carreira internacional de grande mérito. Varoujan Bartikian, primeiro violoncelo solista da Orquestra Gulbenkian, irá interpretar as famosa Variações sobre um tema Rococó, do compositor russo P.Tchaikovsky. A Sinfonietta será dirigida pelo maestro francês Jean Sebastien Béreau, num retorno aos Açores, agora como maestro convidado principal desta orquestra, e que brindará o público com a sua leitura da Sinfonia do Novo Mundo, do checo A. Dvorak.
Num concerto que pretende assinalar o percurso de uma instituição vocacionada para a música instrumental e orquestral, destaca-se o programa ambicioso e a excelência dos músicos convidados.
As Variações sobre um tema rococó foram compostas entre 1876 e 1877, e foram dedicadas ao violoncelista Wilhelm Fitzenhagen, colega de Tchaikovsky no Conservatório de Moscovo. Apesar da referência ao estilo galante, o referido tema é de facto da autoria do compositor, e revela o interesse deste na escrita clássica, em especial por Mozart. A obra desenvolve-se num contraste entre o estilo clássico do tema e o carácter mais romântico e virtuoso das variações. Obra fundamental do repertório violoncelístico, é página obrigatória do famoso Concurso Tchaikovsky.
A primeira vez que Bartikian se apresentou a solo com as Variações, tinha apenas catorze anos, e fê-lo à frente da Orquestra Filarmónica da Arménia. A um percurso pedagógico em Yerevan, seguiram-se prémios em concursos como violoncelista e em quarteto de cordas, com destaque para o 2º prémio no Concurso Borodin, em 1983. Já em Portugal, integrou o Quarteto Capela e a Orquestra Gulbenkian, mantendo atividade de solista e de ensino.
Quanto à Sinfonia do Novo Mundo, de Dvorak, trata-se, provavelmente, de uma das obras mais ouvidas nas salas de concertos, desde a sua estreia em 1893 no Carnegie Hall, com o maestro húngaro Anton Seidl à frente da Orquestra da Sociedade Filarmónica de Nova Iorque. Numa época em que imperava o Nacionalismo como corrente estética, não deixa de ser significativo que este compositor checo tenha sabido incorporar na sua escrita, tipicamente europeia, uma ambiência que evoca este mundo novo, visível em todos os quatro andamentos, mas que assume particular realce no segundo.
No concerto de sábado, o maestro Béreau fará uma leitura absolutamente informada desta sinfonia, assente numa vasta experiência de direção de orquestra, que teve como momentos mais significativos o ter sido assistente de Leonard Bernstein, ou os quinze anos como responsável pela classe de direção de orquestra do Conservatório Nacional Superior de Música de Paris. O rigor com que analisa uma partitura só tem paralelo com a própria exigência que impõe ao trabalho orquestral, e que mais uma vez o público de Ponta Delgada terá a oportunidade de verificar.

O evento é uma iniciativa do Teatro Micaelense e conta com o apoio institucional da República Portuguesa – Cultura/Direção-Geral das Artes, da Direção Regional da Cultura dos Açores e da Câmara Municipal de Ponta Delgada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here