Período crítico do “Lorenzo” nos Açores já passou mas influência vai manter-se

0
167
Foto - Fábio Ribeiro
O período crítico do furacão “Lorenzo” nos Açores já terminou, mas durante o resto do dia de hoje ainda se vai sentir na região a sua influência em termos de agitação marítima e vento, disse à Lusa fonte do IPMA.

Vanda Costa, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), referiu, cerca das 16:00 locais (17:00 em Lisboa), que os avisos vermelhos foram, entretanto, levantados e que “já se está numa fase de diminuição de todos os parâmetros”.

Segundo a especialista, “consoante o afastamento do ‘Lorenzo’ do arquipélago, haverá diminuição do vento”, sendo que a agitação marítima “é a que leva mais tempo a diminuir”.

A região está também “fora do perigo gerado pela precipitação, por vezes forte”.

A meteorologista explicou que o grupo Oriental, composto pelas ilhas de São Miguel e Santa Maria, encontra-se esta tarde sob aviso laranja (o segundo mais grave), devido à agitação marítima, pelo menos até às 18:00 horas dos Açores.

No grupo Central (Faial, Pico, São Jorge, Graciosa e Terceira) também devido à agitação marítima, existe um aviso amarelo até às 21:00, que se estende às ilhas das Flores e Corvo (grupo Ocidental).

O furacão “Lorenzo” provocou mais de 170 ocorrências esta madrugada e manhã nos Açores e obrigou ao realojamento de mais de 50 pessoas, revelou ao início da tarde o Governo Regional.

“Em termos de ocorrências, 171, sendo que temos 66 no Faial, 23 nas Flores, 28 no Pico, 21 em São Jorge, oito na Graciosa, 20 na Terceira, duas em São Miguel e três no Corvo”, adiantou, em declarações aos jornalistas, a secretária regional da Saúde dos Açores, que tutela a Proteção Civil, Teresa Machado Luciano.

Segundo a governante, foi necessário realojar 53 pessoas em três ilhas: “quatro em São Jorge, 42 no Faial e sete nas Flores”.

Todas as pessoas foram realojadas em casas de familiares ou em soluções encontradas pela Direção Regional da Habitação e pela Secretaria Regional da Solidariedade Social.

 

Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here