Incineradora da Ilha de São Miguel aprovada por Bruxelas

0
O ministro do Ambiente e Ação Climática revelou hoje que o projeto de incineração da ilha de São Miguel, que se encontra na Justiça e é contestado pelas associação ambientais, foi aprovado por Bruxelas.

João Matos Fernandes disse aos jornalistas que “todos os projetos com investimento superior a 50 milhões de euros carecem de aprovação diretamente pela União Europeia”, tendo “anteontem chegado a notícia que a incineradora dos Açores foi aprovada em Bruxelas”, havendo “todas as condições para poder começar a ser feita”.

O ministro do Ambiente e Ação Climática foi hoje à lagoa das Furnas, no concelho da Povoação, na ilha de São Miguel, presidir à assinatura de um protocolo de colaboração técnica e financeira do Fundo Ambiental com a Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo dos Açores, relativo ao tratamento da água de lagoas eutrofizadas nos Açores.

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Ponta Delgada recebeu uma ação judicial movida por Paulo Estêvão, deputado único do PPM/Açores na Assembleia Legislativa Regional, para travar o concurso para a construção de uma incineradora em São Miguel, que conta com o apoio do movimento Salvar a Ilha.

Em comunicado posterior, o movimento cívico Salvar a Ilha, que junta vários cidadãos e as associações ambientalistas ARTAC, ZERO, Amigos dos Açores e Quercus – Núcleo de São Miguel, associou-se à ação, que deu entrada no Tribunal Administrativo e Fiscal de Ponta Delgada no início de julho, segundo adiantou à Lusa fonte do movimento.

“Trata-se de uma ação administrativa urgente de contencioso pré-contratual, que tem como objetivo contestar a decisão da AMISM [Associação de Municípios da Ilha de São Miguel] e da MUSAMI [empresa intermunicipal de gestão de resíduos de São Miguel] de avançar com a construção de uma incineradora da ilha de São Miguel”, explica a nota, adiantando que o tribunal “concedeu às entidades responsáveis um prazo de 20 dias para contestarem a ação”.

O processo defende que “a declaração de impacte ambiental emitida em 2011 para o projeto da MUSAMI está caducada” e que “o projeto não deverá avançar sem a realização de uma nova avaliação de impacto ambiental”.

Questionado sobre o processo judicial, João Matos Fernandes disse que o ministério que tutela “não é parte nem na aprovação dos fundos, nem na decisão da construção”.

O ministro, questionado ainda sobre se o projeto se integra na política ambiental nacional, referiu que a “autonomia regional tem total liberdade nas decisões que toma sobre as apostas ambientais nos Açores”.

Sobre a assinatura do protocolo de colaboração técnica e financeira do Fundo Ambiental com a Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo dos Açores, relativo ao tratamento da água de lagoas eutrofizadas, o titular da pasta do Ambiente disse que a estação de tratamento de águas que vai tratar a lagoa das Furnas, orçada em cerca de 1,5 milhões de euros, e que beneficia de 800 mil euros do Fundo Ambiental, “estará a funcionar ao longo do próximo ano”.

A estação vai processar 300 metros cúbicos de água, por dia, tratando-se de um projeto de “grande capacidade” que contemplar uma solução técnica que “não há no mercado e que foi preciso conceber especificamente” por uma equipa do Instituto Superior Técnico, na sequência de uma candidatura do Governo dos Açores.

 

Lusa

Pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here