Líder do PS pede ao Governo Regional para deixar o povo se manifestar

O líder do PS/Açores, Vasco Cordeiro, apelou ao presidente do Governo Regional, José Manuel Bolieiro, para deixar o povo se manifestar e preferir a “liberdade da vontade dos açorianos” em detrimento da “submissão política”.

Na intervenção final do debate do Plano e Orçamento, o socialista, que liderou o executivo açoriano entre 2012 e 2020, disse ser “tempo de dizer basta” à “perda de dignidade do parlamento dos Açores”, a “expressão máxima da vontade do povo açoriano”.

“É tempo de separar águas e, se necessário for, dar a palavra ao povo. Da nossa parte, não receamos nem tememos a vontade do povo açoriano. Vamos a isso. Deixe que o povo se manifeste. Prefira a liberdade da vontade dos açorianos aos grilhões da submissão politíca”, declarou Vasco Cordeiro, na Assembleia Legislativa Regional, na cidade da Horta, ilha do Faial.

O líder parlamentar do PS/Açores salientou que a votação do Orçamento da região para 2022 vai traduzir a “chancela parlamentar às públicas ameaças” e às “secretas cedências”, referindo-se às negociações entre o Chega e os partidos que fazem parte do governo (PSD, CDS-PP e PPM).

“O custo de o Governo ter cedido não é só o custo financeiro ou o custo político. É o custo de uma dignidade de uma região. É o custo da dignidade de um povo”, apontou.

Vasco Cordeiro criticou ainda o “processo de chantagem, de desrespeito e de insulto” promovido pelas “alianças queridas” do presidente do executivo regional, José Manuel Bolieiro.

“O Governo Regional apregoa o diálogo e a concertação, mas desde muito cedo que já enterrou ambos no mais fundo da gaveta”, afirmou.

O deputado disse ainda que o PS não apresentou qualquer proposta de alteração ao Plano e Orçamento para 2022 porque o Governo dos Açores não explicou as “fundadas dúvidas” dos socialistas sobre o “buraco nas previsões” contempladas naquele documento.

“Pela recusa em esclarecer o que nunca deveria ter sido motivo de dúvida, ou seja, a credibilidade e a fundamentação das previsões constantes do Plano e do Orçamento, o Governo Regional impediu uma participação responsável, construtiva”, afirmou.

O líder do PS/Açores criticou também a postura do Governo açoriano que se “diz submerso numa pesada herança de dúvidas”, mas que “aumenta as nomeações políticas” e as “remunerações dos nomeados”.

“Se alguém estivesse submerso em dívidas do passado e procedesse da maneira como este Governo tem procedido, não só seria perdulário, mas seria também profundamente incompetente”, afirmou Vasco Cordeiro.

 

 

Lusa

Pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here